Ulisses e Henrique, o ciume besta e o presente de grego: delegado que fez maior apreensão de Skunk no Acre é “punido”

De acordo com informações apuradas por nossa reportagem, o delegado Pedro Resende, hoje ainda titular da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico da Polícia Civil, A DENARC, será transferido da unidade. A ordem teria partido do Delegado Geral de Polícia Civil, José Henrique Maciel.
Nesta segunda-feira, Pedro Resende ainda esteve na sede da DENARC, mas só para arrumar duas coisas. O Delegado que passou quase um ano e meio à frente da unidade especializada no combate ao NARCOTRÁFICO, apreendeu mais de uma tonelada e meia de entorpecentes – comandou pessoalmente uma Operação que resultou na maior apreensão de Skunk do estado. Foram mais de 35 quilos da “super maconha”.

Após a cobertura da imprensa, com justa ênfase à investigação feita pelo delegado e à Inteligência da Sejusp, o comandante geral da Polícia Militar, coronel Ulisses Araújo, fez uma postagem ciumenta na rede social do delegado Cabral.

Cabral elogiou Resenda e o Ministério Público, parabenizou sua equipe, mas não citou a PM. O coronel parabenizou o delegado mas pareceu incomodado por não ver os militares lembrados. Coisa pequenina, desgaste desnecessário, atrito evitável, infantil, que estragou a memória do Denarc e prejudicou a carreira de um dos delegados mais eficientes da Amazônia.

Também teria causado ciumeira boba o fato de o delegado geral de Polícia Civil não ter sido convidado para a incineração de 700 quilos de entorpecente na última sexta-feira

Medidas como esta enfraquecem ainda mais a Segurança Pública e nos dão a certeza de que a pasta é vista como um bem pessoal. O interesse público é discurso fajuto.

Pedro Resende não quis comentar a sua saída da DENARC.