Tiro que matou criança no Preventório saiu de fuzil do Bope, diz pericia

As circunstancias em que ocorreram tres mortes, entre elas de uma criança de 11 anos, no Bairro Preventório, ainda não foram esclarecidas pela policia. Por enquanto,  existem muitas perguntas e poucas respostas para explicar tudo o que aconteceu na fatídica noite de 14 de maio deste ano. Mas uma duvida já foi sanada. O tiro que matou a pequena Maria Cauane Araujo da Silva partiu de um fuzil do Batalhão de Operações Especiais da Policia Militar. A revelação esta num laudo pericial do instituto de criminalística, anexado ao inquérito 118/18, instaurado pela Delegacia de Homicídios.

A conclusão dos peritos do setor de balistica forense é que, apos  o projetil acertar uma cerca de madeira, um fragmento da munição  atingiu a criança. Maria Cauane brincava com colegas na varanda de um casa quando foi baleada. Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu ao ferimento. No relatório consta que o laudo de micro comparação balística- atestou que o fragmento de projetil  extraído do corpo da criança foi disparado por um fuzil, que tem o numero de serie JFA 04 396. A arma estava com um Cabo do BOPE. A pericia de local comprovou também que o disparo foi feito do barranco em direção a casa, onde as crianças estavam.

         Além da estudante,   Edmilson Fernandes Sales, de 38 anos, foi baleado e morreu no local. Gleito Silva Borges, atingido com um tiro no joelho, morreu no pronto socorro de Rio Branco.Durante a ação outras três pessoas foram baleadas.

         A dinâmica dos fatos ainda não foi finalizada pela a pericia.  No dia 27 do mês passado  promotores de justiça e peritos criminais voltaram ao local. Uma nova pericia foi realizada, podendo esclarecer se houve ou não a troca de tiros na região do preventório. Um dia após as mortes, a policia informou que o tiroteio foi ocasionado por duas facções criminosos, que disputavam o território do trafico de drogas. .