Rebeldia de Roberto Duarte eleva temperatura na Aleac

O deputado Roberto Duarte Júnior (MDB) gerou constrangimento até mesmo aos opositores do governo Gladson Cameli, na manhã desta quarta-feira, causando a interrupção, por duas vezes seguida, da sessão deliberativa da Aleac.

“Embora tenha estatura física alta, a sua postura é baixa e simboliza a representatividade do governo nesta Casa”, disparou o advogado ao dirigir-se ao líder do governo, Gerlen Diniz (PP).

Duarte disse que Gerlen é fraco politicamente e esta fraqueza se traduz na representatividade política do governo na Aleac. O discurso deixou estupefatos jornalistas e convidados que assistiam a sessão nas galerias, pelo tom raivoso. Enquanto bradava, o deputado chamava atenção do comunista Edvaldo Magalhães, num gesto de aparente aliança com o bloco de oposição.

A polícia legislativa entrou em ação para evitar agressão física em plenário. Após alguns instantes, o presidente Nicolau Júnior reabriu os trabalhos, mas os ataques continuaram.

“De onde eu vim, verdade é verdade e mentira é mentira. Eu esperava um nível elevado de sua parte”, reagiu o líder do governo.

Duarte havia dito que Gerlen disse que o governador somente conversa via diário oficial. E foi repreendido, sendo chamado de mentiroso. Em plenário, Diniz leu o significado da palavra (engodo, trapaça) para definir a postura do deputado emedebista.

A confusão foi provocada pelo questionamento do decreto 536, do governo, que estabelece duas cotações de preço fora do Acre e um na praça local, em licitações públicas. Para o bloco de situação, a medida ajuda a combater a cartelização por empresários mal intencionados – prática que já existia no governo passado.

O secretário de Articulação Política do governo, Ney Amorim, é lembrado por aliados a entrar em ação o quanto antes. O ex-deputado deve intervir no sentido de garantir a paz na Aleac, com a firmeza que o credenciou ao cargo e pela construção de um ambiente harmônico entre aliados e opositores em todos esses anos como figura pública.

O ex-presidente da Aleac esteve na Casa Civil, na tarde de terça-feira, reuniu com o advogado Ribamar Trindade e deixou o prédio discretamente. Segundo fontes, Amorim já trabalha para garantir um ambiente favorável à governabilidade de que o governador Cameli precisa.