Policial federal e sua mãe viram réus pela morte de 2 meses

Dheymerson Cavalcante dos Santos e, a mãe, dele, Maria Gorete, vão responder ação penal Por homicídio qualificado por torpeza, asfixia e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima, com causa de aumento decorrente de a vítima ser menor de 14 anos, além do agravante do crime ser praticado contra uma criança.

Assim, Policial Federal e a mãe dele, passaram da condição de acusados para réus no processo que apura a morte da pequena Maria Cecília, que tinha apenas 2 meses de vida.
A decisão é do juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, que aceitou a denúncia do Ministério Público Estadual.

Consta na denúncia, apresentada pelo promotor Ildon Maximiano, que o homicídio foi motivado porque o policial federal não aceitava o nascimento da criança, por ser fruto de um relacionamento extraconjugal.  “Isso fortalece o entendimento do Ministério Publico Estadual, que o policial e, a mãe dele, tiveram a intenção de matar a criança”, disse o promotor.

A filha do policial federal morreu no dia 08 de março deste ano, após tomar duas madeiras de leite artificial. A criança estava sob a responsabilidade do pai e da avó, quando foi a óbito.

Na quinta-feira da semana passada Dheymerson Cavalcante chegou a ser preso. Ele foi localizado num hospital particular de Maceió quando foi surpreendido por agentes da Polícia Federal.

Mas pouco tempo depois, o réu teve a prisão relaxada, pelo Superior Tribunal de Justiça.
Agora com a localização de Dheymerson ele será notificado e, terá o prazo de 10 dias para fazer sua defesa previa.