PMDB bota Flaviano Melo e Jéssica Sales no paredão. Ou aliviam Temer ou vão ao Conselho de Ética. O que pensam Eliane Sinhasique e Roberto Duarte??

“Aqueles que não atuarem em consonância com o partido responderão ao Conselho de Ética (do PMDB) e o líder já tem a prerrogativa de suspender das funções partidárias por 90 dias, exatamente para que se cumpra efetivamente a decisão que o partido está tomando”, afirmou Romero Jucá. Ele é o líder (do governo Temer no Senado). O ultimato gerou debandadas discretas de uma turma que se diz “independente, como o deputado Sergio Zveiter, que viu corrupção passiva praticada pelo presidente da República e, portanto, opinou pela aceitação da denúncia na CCJ. “Não temo retaliação. Sou parte da ala independente do partido”, retrucou o deputado.

Flaviano Melo e Jéssica Sales, os dois deputados federais pelo Acre seriam independentes? Eles agirão de acordo com a razão no dia 2 de agosto, quando o plenário da Câmara  aceitarão ou rejeitarão a denúncia contra Temer?

A reportagem de acjornal.com buscou a opinião dos dois políticos com mandato mais influentes do PMDB no Acre. Vejam o que dizem sobre o assunto a deputada Eliane Sinhasique e o vereador Roberto Duarte Júnior.

Roberto Duarte

“Eu não tenho direito a voto, somente na Câmara Municipal de Rio Branco. Entendo que o PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro é o partido mais democrático do país e diante disso devemos respeitar os votos do seus filiados. A votação do caso Temer deve ser feita de acordo com aquilo que consta na denúncia, ou seja, cada deputado deve votar com a sua consciência e seu voto deve ser respeitado. Lembro ainda que os votos dos deputados federais é tão somente para autorizar uma investigação, não é um pré julgamento ou um julgamento antecipado daquilo que vai ser investigado ainda”.

Eliane Sinhasique

“O presidente Temer sempre foi um homem democrático e sempre resolveu os problemas partidários com muito diálogo e respeito.
Acredito que nossos deputados federais não precisam ser “ameaçados” para agirem com a fidelidade necessária nesse momento em que o presidente precisa de apoio”.