Licença remunerada de Tião Viana é legal, mas ex-governador pode ser convocado para reforçar saúde pública

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) concluiu que a licença prêmio de seis meses concedida ao ex-governador Tião Viana tem amparo na Constituição Federal. “Há possibilidade de o beneficiário gozar de licença mesmo tendo exercido cargo eletivo”, apurou o procurador geral, João Paulo Setti Aguiar.

Alguns advogados haviam ocupado espaços generosos nas redes sociais informando que Viana estaria se beneficiando de um ato ilegal e imoral, assinado pela ex-secretária de Gestão Administrativa, Savana Carvalho, nas últimas horas da gestão anterior. O entendimento de que Tião, como médico do quadro efetivo, não exerceu a função de orígem por cinco anos ininterruptos (de 1998 aa 2003 e de 2003 a 2008) prevaleceu até a PGE se manifestar.

No entanto, nada impede que o governo convoque o servidor para o trabalho, considerando várias fatores, inclusive a alta demanda nas unidades hospitalares e o número ainda insuficiente de profissionais em Medicina.

Para o procurador João Paulo Satti, a decisão de convocar ou não Tião Viana, suspendendo os efeitos da licença prêmio, depende de ato do governador Gladson Cameli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui