Foragido, “Diabão” é condenado a 33 anos por morte de estudante em Capixaba

O Conselho de sentença da Vara do Tribunal do Júri de Capixaba condenou o presidiário Matheus Camparerutti Pinheiro a 33 e 4 meses anos de prisão pelo assassinato da estudante universitária Dayane Kédila da Silva e pela tentativa contra a mãe da jovem, dona Valquiria Roque.
O julgamento, que não teve a presença do réu, foi realizado na tarde de quarta-feira, 27, em Capixaba. Dayane Kédila, que era estudante de administração, foi assassinada no dia 07 de setembro do ano passado com dois tiros, sendo um na cabeça, disparado a uma curta distância.

O crime aconteceu dentro de casa da vítima. Na mesma ação Matheus atirou na dona de casa Valqueria Roque, que tentou defender a filha. O homicida foi preso em agosto do ano passado por policias da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa, a DHPP.

Mas no último dia 14 o assassino fugiu, quando participava de um curso de marcenaria, oferecido aos presos pelo Instituto de Administração Penitenciária. A fuga do criminoso causou revolta na família da vítima. O maior questionamento era saber quem autorizou a transferência do detento, considerado de alta periculosidade, para a Unidade UP_4.

Além disso, em pouco mais de um ano preso, Diabão foi autorizado a fazer cursos, mesmo cometendo dois crimes graves. A direção do IAPEN informou que foi aberto um procedimento para apurar as circunstancias da fuga.