Deracre conclui topografia de nova estrada que liga o Acre ao Amazonas

Uma espécie de “trilha” aberta debaixo da floresta densa, do município de Feijó (AC) até à cidade de Envira (AM) define a linha geográfica onde vai ser construída, nos próximos meses, a terceira estrada a ligar os Estados do Acre e Amazonas.

A parte de topografia do projeto foi concluída no mês passado, definindo o percurso mais viável, dentro da selva, para a construção de uma estrada de terra batida.

O azimute aponta uma linha reta de 63 quilômetros, seguindo o curso do Rio Envira até a cidade Amazonense do mesmo nome.

De feijó até a divisa com o Estado do Amazonas são apenas 23 quilômetros a serem desbravados pelo Deracre.

O restante do percurso até o perímetro urbano da cidade de Envira(AC) será aberto pelo governo amazonense.

Os trabalhos preliminares de mapeamento da fauna e flora para liberação da licença ambiental da obra estão ocorrendo simultaneamente nos dois lados.

Todas as árvores no curso da nova estrada já foram catalogadas e o relatório entregue aos órgãos competentes para avaliação final.

“Concluída essa fase de levantamento geográfico do solo, flora e fauna, aguardamos apenas a autorização ambiental para entrarmos com os tratores, abrindo a nova estrada”. ressaltou ao acjornal o presidente do Deracre, Ítalo César.

A previsão é que o maquinário comece a operar floresta adentro no início do próximo verão para que a primeira viajem de carro entre as duas cidades ocorra, ainda, durante o período de estiagem do ano que vem.

A nova estrada vai interligar a região central do Acre ao vizinho Estado do Amazonas.

Outras duas rodovias, uma do município de senador Guiomard (AC) à Boca do Acre (AM). A outra da cidade de Cruzeiro do Sul (AC) à Guajará (AM) já interligam os Estados do Acre e Amazonas nos seus extremos limites territoriais.

A futura terceira rodovia interestadual deve trazer para o Acre o mercado consumidor das cidades amazonenses de Envira e Eirunepé, consideradas as mais isoladas no mapa do Amazonas, localizadas a mais de 3 mil quilômetros da capital Manaus. No entanto, elas estão apenas a 63 quilômetros da rota do desenvolvimento regional da BR-364, no Acre.