Cruzeiro do Sul: vírus mais letal da dengue hemorrágica mata 3 em menos de 24 horas e MS não manda veneno

Três pessoas já foram a óbito em Cruzeiro do Sul nos últimos 60 dias vítimas de Dengue. O caso mais recente foi o da adolescente Abgail, que sentiu os sintomas da doença de manhã e à noite já estava morta no hospital regional do Juruá.

O vírus que matou a adolescente de 16 anos foi o tipo 2, considerado o mais letal da lista de classificação biológica da Dengue hemorrágica. ” Esse é um tipo de vírus que do dia para a noite leva a pessoa ao estado grave da doença”, diz a coordenadora do departamento de vigilância epidemiológica da secretaria estadual de saúde, Glória Nascimento.

Ela se encontra em Cruzeiro do Sul desde o início da semana coordenando uma equipe técnica na investigação das circunstâncias das mortes por dengue na região.

Em todos os casos os pacientes já haviam passado no posto de saúde à procura de atendimento, e retornaram para casa ainda com os sintomas.

A Dengue mal curada teria evoluído para um estágio mais grave tornando inevitável o óbito.

Com base nessas informações a equipe do Estado está treinando os servidores da saúde de Cruzeiro do Sul para criarem um fluxo de atendimento com mais agilidade nos postos e hospitais locais.

Quanto ao combate ao mosquito transmissor da Dengue, Glória Nascimento adiantou que o Estado não tem veneno para combater o Aedes aegypti.

“Esse tipo de veneno vem do ministério da Saúde para o Estado repassar aos municípios. O problema é que desde o início do ano passado a gente ainda não recebeu o produto e nem tem autorização legal para comprá-lo por conta própria”, explicou a coordenadora epidemiológica.

Campanhas de conscientização para os riscos da doença estão sendo realizadas em todos os seguimentos sociais cruzeirenses.

O povo tem sido alertado sobre o tipo de vírus circulante na cidade e convocado a fazer a limpeza de seus quintais para afastar o mosquito transmissor da doença.