Concurso de Tarauacá: juíza arquiva reclamação de promotor contra Calegário

A juiza Thaís Queiroz B. de Oliveira A. Khalil arquivou a ação de reparação de danos morais movida pelo promotor de Tarauacá,  Flávio Bussab, contra o então empresário Fagner Calegário, que hoje é deputado. Bussab havia sido denunciado na Corregedoria do MP, pelo próprio empresário, que se sentiu injustiçado por um suposto coluio entre o representante do Ministério Público com a prefeitura, em abril de 2016. À época, o promotor recomendou o cancelamento de um concurso público alegando que a empresa responsável pela aplicação das provas, de propriedade de Calegário, havia cometido fraude.

O MP não comprovou ter havido plágio, especialmente em 40 questões da prova de enfermagem, houve plágio total das 40 questões. O promotor isentou a prefeitura de qualquer responsabilidade sobre o certame. “Eu isento a responsabilidade do prefeito do município, porque o executor material, o executor direto do concurso, da elaboração do concurso, foi a empresa Calegário. O concurso tá maquiado. O concurso tem que ser nulo na sua integralidade para todos os cargos”, disse o promotor à época..

 Diante da acusação infundada, Fagner Calegário sustentou que não havia motivos claros para a suspensão do concurso, reclamou da postura de Bussab e foi denunciado.
Ma sentença publicada no Diário Oficial desta quarta-feira, a magistrada condenou o promotor ao pagamento de 12% do valor dos honorários e deu prazo de 30 dias para que isso aconteça.

“Ao meu ver essa sentença só vem para provar que ninguém está acima da lei, nem mesmo o  promotor de justiça”, comemorou Calegário.