Comerciante da Via Chico Mendes é flagrado destruindo abrigo de ônibus e prefeitura vai à Justiça

Uma empreiteira de médio porte está tendo dificuldade para modernizar os abrigos para usuários do transporte coletivo da Via Chico Mendes devido a ação de vandalismo de alguns comerciantes locais que não gostam da presença de passageiros de ônibus nas imediações de seus estabelecimentos.

Durante à noite eles mandam derrubar as edificações erguidas no dia anterior. Na última sexta- feira (8) um comerciante do ramo de produtos agropecuários foi fotografado em flagrante por uma equipe da Superintendência Municipal de Trânsito,(rbtrans) no exato momento em que tentava colocar abaixo a estrutura de sustentação para construção do abrigo de ônibus em frente ao seu escritório.

O responsável pelo serviço destruído não quis registrar queixa crime contra o acusado, mas lamenta o prejuízo sofrido.

“A gente tem contabilizado muito prejuízo nessa obra, com material estragado pelos contínuos atos de vandalismo dessa natureza”, disse o encarregado da obra, que pediu à reportagem do Acjornal para não ter o nome mencionado na matéria.

Já o proprietário de uma grande loja de material de construção na Via Chico Mendes encarregou para fazer plantão à beira da calçada para impedir a construção de outra parada de ônibus. O local havia sido demarcado.

A alegação do empresário, que também não quer ser mencionado na matéria, é de que “o ponto de ônibus atrai ladrões devido à aglomeração de pessoas, e isso não é bom para os negócios”

No final da tarde a Secretaria de Obras da Prefeitura de Rio Branco solicitou ao proprietário da empreiteira que anote o nome do estabelecimento comercial cujo dono impõe resistência à construção dos abrigos de ônibus para que ele seja acionado na justiça.

A prefeitura da capital acreana pretende substituir todos os abrigos de ônibus construídos em madeira por novas edificações erguidas em alvenaria, obedecendo ao distanciamento de 300 metros de um para o outro, conforme estabelece o plano diretor da cidade.