“China, o último resistente”, não é mais diretor financeiro da Sesacre

O diretor Administrativo e Financeiro, Erisson Calixto, já está ciente de que não pertence mais aos quadros da Secretaria de Saúde (Sesacre). A exoneração foi comunicada a ele na Casa Civil, durante uma tensa reunião com assessores diretos do governo. Os motivos do desligamento de Calixto foram postos na mesa. A reportagem apurou que a relação dele com o secretário adjunto, coronel Rezende, estava insustentável. A necessidade de ajustar a equipe de primeiro escalão na Sesacre – medida determinada pelo governador – também pesou.

“Numa pasta como essa, falar a mesma língua é obrigação”, comentou uma fonte do acjornal.

O decreto de exoneração será publicado nesta quinta ou sexta.

A insatisfação do público externo e parceiros do governo aumentou o desgaste do diretor, que está no cargo desde janeiro e sua demissão chegou a ser pedida pela secretária Mônica Feres há dois meses.

Calixto é irmão da diretora geral da UPA Sobral, Tatiana Calixto, que faz uma gestão conturbada recheada de denúncias. O acjornal revelou na última semana que a UPA mantém em seus quadros ao menos três enfermeiras que moram fora (duas no Nordeste e uma fazendo Medicina no Paraguay), recebendo salários do governo e inclusa nas escalas de plantões, como se estivessem no Acre ( veja AQUI). Na última segunda-feira, outra reportagem denúncia revelou que a enfermeira Sandreya Maia, coordenadora na UPA, não comparece ao plantão, que é cumprido por uma servidora de nível médio ( veja AQUI)