Casal estava tranquilo horas antes do suposto suicídio, diz comandante do BIS, que abre investigação. “Demos toda assistência possível”

Márcio e Claudinéia, encontrados mortos na garagem da residência militar onde o casal morava, estavam “tranquilos” na manhã desta sexta-feira, disse o comandante do 4º Batalhão de Infantaria e Selva (BIS), coronel Wellington Valloni. O oficial informou que um assistente social compareceu à casa da família pela manhã, para cumprir uma agenda de acompanhamento psicológico que começou com o suicídio da jovem Bruna Borges, filha de Márcio e Claudinéia. O Exército foi procurado por amigos de Claudinéia que faziam o curso de Enfermagem na Uninorte – todos preocupados com a possibilidade de que uma tragédia acontecesse. E aconteceu.

O comandante do BIS, em coletiva à imprensa, pela tarde, anunciou a abertura de uma investigação paralela á da Polícia Técnica ligada ao Estado. “As circunstâncias serão apuradas, para que não restem dúvidas. No entanto, tudo nos leva a crer em suicídio”, opinou o comandante. “Toda a assistência possível foi prestada ao casal e seus familiares.

O Governo do Estado emitiu nota de pesar.

Nota de Pesar

O Governo do Acre, por meio do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), lamenta com profundo pesar, a morte da técnica de enfermagem e servidora do Iapen, Claudineiada SilvaBorges. A servidora trabalhava na unidade de saúde do complexo penitenciário Francisco D’Oliveira Conde, Rio Branco há pouco mais de um ano. Nesse momento de dor, transmitimos nossos sentimentos de pesar e solidariedade à família e aos amigos enlutados.

*Martin Fillus Cavalcante Hessel*
Diretor-presidente do Iapen

*Madalena Ferreira da Silva*
Gerente de Reintegração Social e Saúde do Iapen