Campanha para despetizar o governo tem apelo direto a Cameli: “não permita isso”

A esta altura o governador Gladson Cameli refletiu sobre milhares de mensagens dirigidas a ele: “peça aos seus secretários para não contratar petistas”. A campanha para “despetizar” o governo assume proporções gigantescas, numa força comparável, por exemplo, com a que blindou Bolsonaro meses atrás aqui no Acre – seja no Facebook, seja nos grupos de whatsapp, e até mesmo nas redes sociais frequentadas pelos aliados de primeira hora do grupo que baniu o PT do poder.

Pudera: horas após a nomeação de secretários e faltando 28 dias para serem nomeados os comissionados de segundo escalão, há militantes de esquerda apostando alto em sua permanência no governo. Na Educação, no Acreprevidência e na Saúde, especialmente, muitos que não foram exonerados se apegam à esperança de serem protegidos, direta ou indiretamente.

As redes sociais estão abarrotadas de fotos-denúncias mostrando servidores públicos grudados em seus cargos, muito embora tenham sido militantes fiéis ao PT por anos a fio. É assim que eles aparecem nas imagens que viralizam e são encaminhadas sorrateiramente a pessoas que as fazem chegar ao seu destinatário. O acjornal recebeu várias. Em muitas delas eles aparecem ao lado dos candidatos da Frente Popular, em campanhas de rua e até com a cara pintada.

Quem pede a defenestração dos petistas não quer nem saber de critério técnico. Ainda resta a sensação de que o “governo da mudança” corre riscos de sabotagem e poderia repensar nomeações temerárias.