Cafeteira de R$ 4,7 mil, viagens e presentes: Manuel Marcus abusou do fundo partidário para agradar pastores

    Relatório da Polícia Federal relata que entre os dias 03 e 05 de outubro, antevéspera das eleições, foram sacados recursos que ultrapassam 400 mil reais da conta corrente da empresa Ml Serviço, empresa de fachada que fazia a lavagem do fundo partidário do PRB. Todos os saques enumerados nesta reportagem foram solicitados pelo pastor Manuel Marcus, preso na Operação Santinhos. O evangélico, presidente da Câmara Municipal de Rio Branco e deputado federal eleito, orientou saques que, somados, chegaram a R$ 400 mil. O dinheiro, segundo ele, seria usado para “ajudar” pastores do interior do estado, considerados por eles “cabos eleitorais de casa”.

    Marcus pedia recursos do fundo partidário para comprar uma cafeteira, avaliada em R$ 4,7 mil, e até para cobrir o conserto do veículo pertencente a um outro pastor de sua igreja. As transferências serviam, ainda, para comprar presente para um bispo amigo do vereador, e para o custeio de viagens pessoais a Cruzeiro do Sul. Outras transferências eram feitas em favor de empresas e pessoas físicas estranhas à prestação de contas dos candidatos. A deputada Doutora Juliana também se beneficiava de saques. Vejas as imagens abaixo (print´s do aplicativo Whatsapp obtidos pela PF durante a prisão e apreensão de provas).

    Outras provas indicam, segundo a PF, fragrante de compra de votos por requisições de gasolina. Estas provas foram apreendidas no notbook pessoal do pastor Manoel Marcus.

    Foi apreendido, no quarto de visitas do apartamento do pastor, um documento contendo vários nomes, cargos e valores. O documento apresenta uma escrita com os dizeres: “Repasse de todos.  Em cima da remuneração bruta.” Nesta lista consta o nome de vários envolvidos na Operação Santinhos, como por exemplo Juliana Rodrigues de Oliveira, Wagner Oliveira, Rodrigo Rodrigues Fernandes, Yargo Rodrigues de Oliveira, Diego Rodrigues de Oliveira, entre outros.