Bocalom nega saída do DEM, ajuda Ulysses na agenda de Bolsonaro no Acre e não crê em Alan vice de Gladson

O ex-prefeito Tião Bocalom negou ter pedido desfiliação do DEM. Em convenção dos democratas, nesta quinta-feira, em Brasília, Bocalom foi informado que todos os diretórios regionais serão dissolvidos. Ele foi recebido, juntamente com Franck Lima, pelo novo dirigente maior do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto.

O prefeito baiano explicou a estratégia de reestruturação da legenda democratas, mas não sinalizou que vá promover alterações drásticas. “Na verdade, cada situação será analisada com calma. Cada estado tem sua particularidade, e o Acre terá atenção especial no nosso planejamento”, disse ACM Neto a Bocalom.

Eu fiz uma explanação do trabalho que estamos fazendo para engrandecer o DEM no Acre, e expus avanços obtidos nesse sentido. Estamos tranquilos e respeitaremos a decisão que vier”, declarou Bocalom. Ele antecipou que não seguirá no DEM se a legenda apoiar o pré-candidato a governador Gladson Cameli (PP). A candidatura de Marco Maia, presidente da Câmara Federal, pelo DEM, na corrida pela Presidência da República, pode sacramentar o apoio do PP nacional. Nesse quadro, as lideranças em Brasília poderão sugerir que o deputado federal Alan Rick seja o vice de Cameli no Acre. Bocalom comentou o assunto:

“Não creio, de jeito nenhum, que o Alan será o vice de Gladson. Essa possibilidade foi discutida lá atrás, e o acordo foi desfeito da maneira que todos nós já sabemos. O Alan faz um mandato muito bom, mas essa configuração de aliança no Acre, penso eu, é improvável”, declarou.

O coronel Ulysses, pré-candidato a governador pela terceira via, tenta acertar a visita do presidenciável Jair Bolsonaro ao Acre para depois do dia 7 de abril. A agenda muito concorrida do deputado dificulta a confirmação de uma data definitiva. Quanto a Bocalom, Ulysses disse que, não havendo a possibilidade de ele permanecer no DEM, há partidos que “estão de braços abertos para recebê-lo”. Um deles seria o Patriotas, cuja presidente, hoje, é a esposa do militar. Bocalom retorna ao Acre em voo da madrugada desta sexta-feira.