Acre: “é impossível conter a violência na proporção atual”, diz especialista que elogia medidas para “sufocar” a bandidagem

Andrias Wolter Sarkis, Advogado, especialista em Gestão de Segurança Pública e Direitos Humanos pela Universidade Federal do Acre, aceitou o convite do acjornal para comentar a Segurança Pública do Acre. Na primeira de três reportagens, ele elogia a estratégia de montar barreiras em vários pontos de Rio Branco, medida que está dificultando a ação dos criminosos. E é taxativo ao afirmar que é impossível conter a a criminalidade na proporção em que está neste momento. O especialista aponta caminhos para sufocar gradativamente a bandidagem: Leia:

acjornal – O que deve ser feito para uma resposta rápida contra a violência?

Andrias Sarkis – Inicialmente, há de se afastar, pelo menos neste momento, os ideais de perfeição. Hoje, é praticamente impossível a contenção do crime nas proporções em que se encontra, mas é possível sim a imposição de maior dificuldade para o crime se expandir e ser praticado. Uma espécie de sufocamento gradativo.

Diversos pontos na cidade foram fechados por barreiras para o controle de veículos. Em um primeiro momento surgiram inúmeras críticas para a ação, porém os roubos de veículos caíram drasticamente durante o período. Ou seja, a polícia não impediu o crime, mas o dificultou, de modo a fazer com que estes números caíssem.

Esse é um exemplo pratico para ilustrar ações que deveriam ser adotas pelas forças de segurança. A presença da polícia na rua inibe a prática criminosa e é isso que a população acreana necessita nesse momento. Mais do que apenas uma sensação, o que se necessita hoje é a consolidação dessa segurança, em sua forma mais efetiva, com policiais treinados, devidamente equipados e preparados para o enfrentamento ao crime, com os recursos necessários e com o respaldo do próprio Estado e das demais instituições que compõem o sistema de justiça, como o Ministério Público e o Poder Judiciário, pois, se não houver união, dificilmente veremos avanços significativos nos próximos anos.