Covid-19 no Acre gera caos no atacadão: “meu marido mandou comprar comida pra 2 meses. Vamos ficar trancados”

Boa parte da população de Rio Branco correu ao principal atacadista da cidade tão logo foram anunciados os primeiros casos positivos de Coronavírus. Os consumidores decidiram comprar alimentação em grande quantidade para estocar para. Donas de casa seguem a orientação das autoridades para  começar a quarentena, a partir desta quarta-feira, temendo a disseminação do Covid 19.

O número de clientes no local, com os carrinhos cheios de produtos em grande volume, surpreendeu os proprietários do estabelecimento e funcionários. Foi algo excepcional para uma terça-feira, metade de mês, quando normalmente poucos fazem feira.

Na lista de compras de dona Isabel Ferreira de Paiva estavam alimentos enlatado e não perecíveis para no mínimo dois meses.

“Meu marido viu na televisão a notícias dos casos de Corona Vírus aqui em Rio Branco e mandou eu vim ao supermercado comprar comida para a gente passar dois meses trancados em casa”, disse a servidora pública.

Um repositor de estoque do mesmo supermercado, que pediu para não ter o nome citado na reportagem, disse ao Acjornal que o movimento no supermercado quadruplicou depois do meio dia.

“Estava tudo tranquilo aqui, com pouco movimento, normal para uma terça-feira, mas de repente ficou lotado”, relatou.

O aumento de clientes foi notado logo após o governo confirmar a existência de três casos de Coronavírus no Acre e pedir para a população não sair de casa pelos próprios 14 dias.

“Ninguém sabe o que vai aconteceu daqui pra frente. Por isso vim, logo, comprar comida para uns dois meses em casa, a merecer da vontade de Deus”, afirma a funcionária de escola Maria dos Anjos.

Outra cena anormal que a equipe do Acjornal identificou, no mesmo supermercado, foi o uso de máscaras por boa parte dos clientes. Até os funcionários do estabelecimento estavam sendo orientados pelos superiores a usarem máscaras nos ambientes de trabalho.

Cada servidor do supermercado havia sido comunicado da liberação de um bônus no valor de 20 reais para a compra de álcool gel para assepsia contínua das mãos.