AC: médica do Samu vai pra folha do estado sem disputar concurso e após 60 dias já está em Paris com namorado e chefe Pedro Pascoal

A médica Wanda Andrade de Sousa é uma das graduadas em Medicina contratadas mais recentemente pela Secretaria de Saúde do Acre. Na folha de servidores ativos, ela é registrada como tendo sido aprovada no processo seletivo simplificado aberto em julho do ano passado. Mas o nome dela não aparece em nenhuma publicação oficial – nem mesmo na lista de classificados e reclassificados.

A suspeita de fraude no processo seletivo não é de espantar. A seleção para profissionais em saúde no Acre já foi embargado pelo Ministério Público após denuncias de irregularidades.

Em tese, não há comprovações, no Diário Oficial, de que Wanda fez as provas objetivas e disputou as etapas eliminatórias do certame, ao contrário dos demais aprovados – nem mesmo um decreto ou portaria que a nomeie servidora pública.

Mas ela foi um dos primeiros a assumir vaga de médico para trabalhar em Rio Branco. A lista conclusiva com os aprovados no processo saiu em 22 de novembro do ano passado. A médica, que é namorada do coordenador geral do Samu, Pedro Pascoal, aparece no mês seguinte (dezembro) na folha do Estado, com salário acima de R$ 10 mil mensais. Na descrição da servidora (veja galeria de imagens) consta a observação “simplificado”.

Também não foi feita escala de serviço para ela no último mês de 2019. Já em janeiro desse ano, ela é escalada para trabalhar nas ambulâncias 01 e 02 do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, a única viatura de suporte avançado.

O acjornal “localizou” a médica com o namorado, em Paris, capital da França. Pedro Pascoal está de férias. Mas Wanda, não.

Aliás, duas dúvidas devem ser esclarecidas pela cúpula da Sesacre: como a médica foi considerada apta no concurso sem ter qualquer registro nas etapas do certame?

Como uma servidora pública se ausenta para viagem não oficial para o exterior, permanecendo na folha, com apenas 60 dias no serviço público?

Pascoal foi aprovado no mesmo processo seletivo (classificação 209, portanto dentro das 212 vagas ofertadas para a capital). A namorada, que possui graduação em Biomedicina pelo Centro Universitário São Lucas, de Porto Velho (RO), surgiu na folha do Estado como um passe de mágica. Haveria uma explicação lógica?

Esta reportagem foi finalizada às 11 horas deste sábado.

O acjornal não conseguiu contato com o secretário Álisson Bestene.

O espaço está aberto aos esclarecimentos.