Casseb indicou mais de cem para revenda de anabolizantes. Garçom preso, parceiro comercial, ganha salário mínimo e tem veículos de R$ 110 mil

REDAÇÃO

O médico Giovani Casseb, preso nesta sexta-feira (19), mantinha um forte elo comercial ilegal com o garçon Wendelll da Silva Rodrigues, que também foi preso na semana passada (veja AQUI o flagrante). A polícia concluiu que o médico se valia da influência (também é professor universitário) para manter uma rede – clientela que fazia consultas regulares com ele”. Os anabolizantes eram receitados com seu carimbo e assinatura. Porém, outras drogas eram receitadas sem timbre e assinatura, aumentando o risco de reações adversas e até morte aos pacientes, embora com receituário autêntico.

Na residência e na clínica de Casseb foram apreendidos anabolizantes em grande quantidade, inclusive medicamentos de uso restrito, o mesmo que havia sido apreendido na casa do Garçon – comprovando a relação comercial entre os dois. “O que mais chama atenção é que várias pessoas trazidas pelo Wendell não sabiam da irregularidade que estavam se metendo”, declarou o delegado responsável pela investigação, Pedro Resende. 

O delegado informa que estão citadas na investigação várias pessoas, de todas as classes sociais, inclusive pseudos atletas competidores, que usavam o anabolizante comercializado ilegalmente. Todos serão intimados para comparecer à sede da PF. Também faltam ser ouvidos clientes e pacientes de Casseb. 

O delegado disse que mais um carregamento está retido, com previsão de chagar nesta sexta-feira na capital.  “Toda semana chegavam esses anabolizantes”, disse Resende.

Hoje, diz o delegado,não dá pra mensurar os valores que eram movimentados com a venda ilegal de anabolizantes. Mas ele estranha que o garçom, com salário declarado de R$ 1 mil por mês, seja proprietário de um carro avaliado em R$ 70 mil, uma motocicleta que custa R$ 40 mil e, ao ser preso, tinha R$ 15 mil guardados em sua casa. Mais de cem clientes aparecem numa lista encontrada na casa dele – todos indicados pelo médico. A Comercialização acontecia em diversas academias.

O pai de Casseb, que é advogado, já protocolou o pedido de soltura do filho junto ao Tribunal de Justiça. Nas redes sociais, apesar do espanto com o envolvimento de um profissional tido como “acima de qualquer suspeita”, os internautas, em sua maioria, acreditam que ele não passará o fim de semana na cadeira. A prisão de Giovanni é temporário, válida por 30 dias. 

Mais Notícias
Carregue mais