PSL invalida convocatória e denuncia “complô” de Bocalom para se aproximar do governo Cameli

REDAÇÃO

A direção nacional do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, foi comunicada sobre um “complô interno para aproximar a legenda da base de sustentação ao governo Gladson Cameli. O comunicado, em tom de denúncia, atinge diretamente o professor Tião Bocalom, secretário geral do partido, e a denúncia chegou ao presidente nacional, deputado Luciano Bivar. 

A informação chegou a Brasília por decisão do presidente regional da legenda, Pedro Valério, após Bocalom convocar reunião “extraordinária” e colher assinaturas dos dirigentes locais para discutir a declaração de um possível apoio ao governo do estado.

“A convocação ( para a reunião) não tem objeto. O nosso estatuto diz que a prerrogativa de convocar reunião extraordinária é exclusiva do presidente do partido. O que for decidido ali, se houver a reunião, será nulo de pleno direito”, declarou o presidente Regional do PSL, Pedro Valério. 

“O governador nunca manifestou nenhum aceno por um aliança com o PSL. Se não há interesse da parte do governador, não faz sentido nenhum nós, internamente, encaminharmos esta discussão”, disse. “Usaram a boa fé dos nossos diretores”, afirmou Valério referindo-se aos dirigentes que aceitaram reunir com Bocalom. 

Ouvido, o coronel Ulisses Araújo disse que “até seria possível 100% de apoio ao atual governo, desde que houvesse convite para ser analisado”. 

“É sabido que ele (Bocalom) está correndo atrás de cargo. Ele que vá sozinho, mas não leve o partido”, afirmou. “Eu não posso deixar que o PSL seja mais uma legenda venal. Nós temos boas chances de ganhar a prefeitura da capital, e esse caminho precisa ser trilhado com responsabilidade”, concluiu. 

Questionado sobre como ficará a relação com o ex-prefeito de Acrelândia após este episódio, o presidente regional do PSL disse: ” a relação com Bocalom é difícil em qualquer situação. Esse discurso de vitimismo não cola mais. Ele tenta criar um ambiente favorável a ele. Vejo que estão tentando usurpar as prerrogativas do presidente do partido, que sou eu, e eu não permitirei que isso aconteça”. 

Pedro Valério confirmou ter sido alertado pelo advogado Valdir Perazzo, ex-membro da executiva, sobre a importância da aproximação de Bocalom para “enfraquecer” o secretário de Agricultura do Acre.

O governador Gladson Cameli já disse que o secretário não deixará a pasta. 

Em instantes, a entrevista exclusiva de Bocalom sobre o assunto.

Mais Notícias
Carregue mais